Igreja nos Lares


Além das reuniões formais, em um local especialmente designado para isto, a Igreja Bíblica de Luís Eduardo Magalhães também se reúne nos lares, organizando-se em pequenos grupos de pessoas, formados a partir de uma família. Essas reuniões são uma espécie de estrutura básica e fundamental na vida da igreja. É essa estrutura que se multiplica e que carrega em si toda a potencialidade de produzir a edificação do Corpo de Cristo, submetendo-se aos interesses mais amplos da Igreja para que o todo funcione de forma harmônica. Graças ao princípio multiplicador desse tipo de trabalho, podemos também chegar às características de todo o corpo por meio de uma pequena parte dele.
Na igreja, qualquer que seja o nome dado à prática da reunião em pequenos grupos para estudar a Palavra de Deus e para compartilhá-la, o objetivo é um só: o crescimento do Corpo em amor.
A prática desses grupos tem origem na igreja primitiva e era uma das bases para a evangelização, para o ensino e o ofício pastoral. As reuniões de casa em casa serviam como instrumentos para aprofundar as atividades da comunidade (Cl. 4:15; Fm. 1:2; 1 Co. 16:19; Rm. 16:5; At. 2:46; 5:42).
O modelo expresso em Atos dos Apóstolos foi tão bem sucedido que passou a extrapolar os limites da própria cidade, aliando crescimento numérico ao amadurecimento espiritual de cada cristão.
Os assim chamados “grupos de comunhão” possibilitam o compartilhar da Palavra de Deus, atendimento aos pedidos de oração e ajuda mútua, em um clima destituído de qualquer formalidade.
Cada grupo é uma família estendida, onde todos caminham juntos em direção ao mesmo propósito.
Os membros ou visitantes das reuniões nos lares sempre poderão contar com o auxílio de um coordenador, cujo papel será o de orientar as participações de todos durante as reuniões.
A exemplo de outras igrejas (constituídas dentro do padrão Bíblico, fique bem claro isto), esta é também uma estratégia missionária da Igreja Bíblica de Luís Eduardo Magalhães, que cremos inspirada pelo Espírito Santo (At. 2:17), para dar suporte ao crescimento de cada pessoa e oportunidades para alcançar a todos aqueles que não conhecem a Jesus como Deus, Senhor e Salvador.
As referências sobre essa prática podem ser encontradas em todo o Novo Testamento e em especial no Livro dos Atos dos Apóstolos, em 2:42,46; 5:14,42.